Textos



Ninguém engana a noite, mulher vestida de negro...
Que nos persegue, o dia inteiro...
Enciumada da luz.
Homem nenhum lhe conhece os caprichos,
O sabor dos lábios que a bruma esconde...
A todo instante, como bichos,
Morde-nos a delícia de um beijo proibido.
 
A noite é catedral dos pecadores felizes...
De portas escancaradas, a todos acolhe
Como mãe em colo de delícias.
 
Mas é mãe esperta, de olhar brilhante,
Que descobre na intenção muda, o grito de vida...
Ninguém engana a noite, parceira onipresente...
Das histórias sonhadas e esquecidas.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 02/10/2009
Alterado em 14/01/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários