Textos



                                                       
Meu poema

Aflito...

Sente o tempo decorrido

As horas emudecidas

Em que não me embriaguei com sua voz.


Então meu poema corre

Liberto dos ponteiros

Chama um táxi

Invade semafóros

É preso e processado

Enfim encarcerado em seu abraço.


Que não me prendam as tempestades

Viver é sempre atravessar intempéries

Que minha voz e meu olhar sejam doces

Quando seu rosto iluminar a Terra.


Assim, meu poema

E o amor sem palavras que traduz

Seja sempre petála precisa de rosa

Que inebria e seduz.


Entre os versos que lês

E os tantos que ainda virão

Ressoe sempre o amor mais rebelde

E um suave pedido de perdão.


Não se pode sempre alvejar a Lua

Os poetas são loucos, mas todos sabem

Que a força por vezes falta, a alma chora

Nos desvãos dos segundos e das horas.


Mas o que fica desta epópeia

Quando se ama a mulher que nos explica

É o sorriso que na alma se enrosca

delicado laço de fita.
















 

alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 18/02/2009
Alterado em 20/03/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários