Textos


A aldeia de Shivah acordou alegre.

Naquele dia chegaria a comitiva do rei Uruk que desde os primeiros dias do verão, percorria o reino levando a pomba mágica. Era uma velha tradição; desde tempos imemoriais, nos meses de calor, uma pomba mágica, criada pelos deuses para este fim, era solta pelo rei. Se a ave pousasse em uma árvore ou prédio da aldeia, vila ou cidade e lá ficasse aquele se tornava um local abençoado e presentes eram dados pelo rei ao povo do lugar.

O povo de Shivah esperava. Aquela seria a última aldeia. E a pomba, até então, não pousara em lugar algum; só voara e retornara indiferente à sua gaiola de ouro.

Na praça da aldeia, a pomba foi solta. O povo inteiro olhou o céu, ansioso. A pomba voejou para leste, depois oeste, depois norte e, por fim, quando ia pousar no telhado do mercado, uma pedra a atingiu em pleno vôo e a ave tombou, morta.

Um garoto segurava vitorioso um bodoque nas mãos. Sob o silêncio que o cercou, proclamou, erguendo os braços:

‘Eu matei! Com uma pedrada só!’

E por muitos anos, depois que a tradição foi esquecida, celebrava-se o dia de Aswir – o nome do menino do bodoque – que libertou o império de uma maldita pomba estúpida.

alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 07/08/2008
Alterado em 08/06/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários