Textos



Em uma manhã de sol os guardas das muralhas do palácio viram uma grande massa humana se aproximar dos portões. Caminhavam quietos. No silêncio da manhã, só se ouvia o soar ritmado dos passos da multidão.

Pararam diante das muralhas e Zoah, o chefe da guarda, gritou lá do alto:

‘Que fazem aqui?’.

‘Viemos rogar a nossa rainha que tenha um filho com nosso rei’ – respondeu uma mulher idosa, que se adiantara do grupo.

Zoah piscou; nunca ouvira tamanho absurdo. A rainha era uma mulher doente e, casada há muitos anos com o rei, não lhe dera filhos. Os médicos diziam-na estéril. Útero seco e morto.

‘Esperamos o príncipe herdeiro!’ – elevou-se a voz da velha – ‘Um reino não pode viver sem um herdeiro. O povo precisa ter um futuro!’.

Zoah pensou em desfazer a multidão, ainda que à força. Mas, para sua surpresa, o portão principal se abriu e por ele saiu a rainha, envolta em uma manta velha e surrada, os cabelos soltos, os pés descalços.

‘Minha senhora... ’ – exclamou Zoah.

‘Sigo com eles, guarda. O povo precisa de um futuro. Deixo o rei em paz!’.

E misturou-se à multidão, que, lentamente, foi se afastando da frente do palácio. O rei casou-se e teve muitos filhos. Da rainha, nunca mais se ouviu falar.
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 07/08/2008
Alterado em 06/07/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários