Textos


Na pequena vila de Azukar, chegou o dia do casamento de Zoé e Klarko.  Muito queridos, a festa prometia durar muitos dias.

 

 No momento da celebração, o sacerdote Voltan indagou a Zoé se aceitava casar-se com Klarko. O sorriso do rapaz, até então radiante, foi se apagando, diante do silêncio pétreo da amada.

 

E passou-se todo o resto do dia e Zoé nada disse. Muda e com o olhar vago, só duas lágrimas correram-lhe pelas faces. Mas da sua boca perfeita não se ouviu nem sim nem não.

 

Grande foi a dor de Klarko. O casamento não aconteceu. Zoé voltou para casa, sob o olhar espantado de todos. Azukar mergulhou na tristeza. E nada mais foi como antes.

 

Tempos depois, Klarko partiu de Azukar. Pouco depois, Zoe, muda desde o dia do casamento, enfim falou, uma só palavra:

 

‘Sim’.

 

Desperta do seu silêncio, Zoé procurou por Klarko em vão. Nunca mais ninguém soube dele. Zoé isolou-se de todos e sempre pensava, em sua solidão, que até as menores palavras tem um tempo para serem ditas. 

 

 

 

alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 05/08/2008
Alterado em 10/05/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários