Textos


                                      
Dá-me tua mão, antes que chegue a noite
E a voz se perca na escuridão que repousa...
Dá-me tua mão, porque és o porto contra a tormenta,
Luz que inspira e acalenta
As dores insepultas que doem em mim.

Não se vá pela noite afora
Esquecida...
Do terno cimento que sustém a ponte,
Donde contemplamos o caudaloso rio.

Tua partida só anuncia o abandono
De todas as paisagens e de toda esperança...
Restará a triste sombra da casa sem dono,
Onde já não vibra o riso, a música, a dança.

Entrastes em minha vida e fostes vida
Bem mais que toda vida já vivida...
Dá-me tua mão e perdoa a loucura
Desta alma que por teu amor procura.

E que não seja nem a noite nem o dia
Limites para a verdadeira alegria...
de sentir entre as minhas tua mão
E na alma o bater do teu coração.

O dia que nos uniu
só este em verdade importa
Resume em si toda História
Que não nos é dado esquecer...

Demais, como olvidar
Aquela a quem devo o batismo da fé?
Aquela que acredita que posso
Ser o o farol em seu oceano de mulher?

Dá-me tua mão, longa é a estrada
Que nos aguarda além das janelas
Paisagem que inunda toda tela
Em que sou teu homem
Minha mulher.


alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 09/07/2008
Alterado em 10/05/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários